PROJETO DE EFEITO

Em meio à atual conjuntura do país,o Projeto "Efeito Perverso" do jornalista, diretor e ator Fellipe Cartier, apresenta uma minuciosa pesquisa sobre a "perversão" e a estética do teatro expressionista, que tem estreia prevista para o primeiro semestre de 2020. A existência de um segredo macabro serve como pano de fundo desse suspense em que os envolvidos utilizam-se de artifícios obscuros para estarem e permanecerem no poder. E os envolvidos que dão corpo aos personagens Eron, Nay, Lauro e Sil são, respectivamente, Marco Mariano, Luh Diniz, Gabriel Brito (Gabuh) e Rafael Matos.

O autor então opta pelo efeito replicante da perversão, já que todos os personagens são naturalmente perversos. A realidade interior dos personagens é destacada sobre a exterior, sendo a análise psicológica e existencial o reflexo da sua situação no mundo, com um sentimento de alienação que provoca condutas psicóticas, desordenadas, sem lógica, nem coerência. A circunstância, então, tem como ações principais a loucura e o medo, pois a todo momento os personagens corrompem-se, desmoralizam-se, depravam-se e desestabilizam-se.

"A evolução dos personagens está enfatizada na exacerbação das ações físicas para que, mais do que um elemento cênico, [as ações físicas] sejam portadoras de ideais de libertação de modo a exprimir ideologias que visam transformar a sociedade. No entanto a proposta de encenação - iluminação, cenário, maquiagem, figurino e trilha sonora - dialoga com a presença física do ator/atriz", pontua Cartier, que organizou o projeto de pesquisa com duração de 2 ano, sendo dividido em 5 fases: Ensaio de Mesa, Análise Ativa, Fase Orgânica, Introdução ao Expressionismo e Fase Expressionista. No momento, o elenco está na terceira fase da pesquisa - Fase Orgânica. Nesta etapa, os atores estão em contato com fundamentos teóricos e práticos da interpretação tendo como referência os métodos de Stanislavski e Eugênio Kusnet: compreensão básica da estruturação cênica, da dramaturgia e do personagem, com enfoque na interpretação - estados, afetações e ações físicas.

Devido à estética expressionista ser pouco aderida no cenário teatral brasileiro, o projeto referenda um estudo dessa linguagem considerada revolucionária criada pelo sueco Strindberg na Alemanha, por volta de 1905. Umas das grandes influências desse movimento é Freud, pois a psicanálise libertaria do passado e da subjetividade. Daí o estudo sobre a perversão, pois unem-se essas duas características na linguagem teatral adotada nesta obra. Perversão vem do latim pervertere que corresponde o ato ou efeito de perverter, tornar-se perverso, corromper, desmoralizar, depravar e alterar.“Efeito Perverso” é um espetáculo onde as ações e os pactos se (des)fazem a todo instante, mantendo o espectador ávido pelo desfecho. Uma crítica contundente ao ser humano, à constituição de sociedade e à sobrevivência da mesma a qualquer custo.


Acompanhem esse trabalho nas redes sociais do EntreMundos:

Facebook: @grupoentremundos

Twitter: @oentremundos

Site: www.grupoentremundos.com


com Fellipe Cartier